Aliança dos Céus

Casamento Coletivo na IAUC conta com participação de 12 casais

Após 28 anos juntos e três filhos, o casal Hilda Santana e Ricardo Santana se casaram no dia 29 de março de 2019, no Casamento Coletivo promovido pela Unidade de Família da IAUC. Os dois se conheceram na UERJ, ele trabalhava no setor de computadores e ela fazia um curso de teatro. Os dois conversaram pela primeira vez após uma peça na qual ela atuou e ele assistiu. Dali em diante, não se separaram mais. Depois de dois anos juntos, fizeram Declaração de União Estável. A conversão veio através da segunda filha, Yasmin, que tinha o diagnóstico de Tetralogia de Fallot, uma doença cardíaca sem cura.

Há quatro anos atrás, Hilda começou a frequentar a Unidade em Cristo Ilha e resolveu realizar o casamento no civil, seguindo orientações de Deus. Mas ela ainda sentia que precisava da benção apostólica. Tentou com o seu primeiro pastor, da Igreja Nova Vida, mas devidos a problemas de saúde que ele tinha, o casamento era sempre adiado.

Durante o culto de domingo, antes do Casamento Coletivo, Hilda sentiu o espírito Santo falar mais uma vez sobre a situação dela e do marido. Mas só no dia seguinte ela tomou a decisão de falar com a líder da Unidade de Família na Ilha, Raquel Brandão e marcar presença no casamento que aconteceria quatro dias depois.

– A pastora Nayra falou novamente do casamento, o que eu já estava sabendo há séculos, mas não tinha me despertado. Estava na minha mente aquele pastor abençoar. Na segunda-feira, o Espírito Santo me incomodou e disse que queria eu e meu marido nesse Casamento Coletivo. Fiquei preocupada porque não havia feito o curso e nem o treinamento. Liguei para a Raquel e contei minha história, ela disse que se o Espírito Santo me falou, era para eu ir. Chegando em casa, chamei meu marido para jantar e falei “Noivo, desce que seu prato está na mesa.”. Ele desceu e perguntou o que estava acontecendo, aí eu expliquei que iríamos casar na sexta-feira.

Outra benção aconteceu durante a semana. Hilda conseguiu o vestido de noiva perfeito na quarta-feira sem precisar pagar nada. O cabelo e a maquiagem também foram feitos de graça para todas as noivas do Casamento Coletivo por um salão da Ilha. O noivo e o filho, que a levou ao altar, foram abençoados por uma amiga do casal que trabalha com aluguel das roupas.

– O “ vinde, comei, bebei” foi real. O Senhor não permitiu que eu pagasse nada. Isso serviu de testemunho para a família do meu esposo e para a minha família que ainda não é cristã. Fomos tratados como reis e rainhas. O ambiente, desde a preparação com todas as noivas, estava revestido de glória. Eu vi que muitas noivas estavam chorando por estarem realizando um sonho. Para mim, era apenas por estar correta com Deus, mas se eu soubesse o quanto é bom casar, já tinha casado antes!

A líder da Unidade de Família, Raquel Brandão, junto com seu marido Alexandro, contou que o processo para realizar o casamento coletivo foi demorado por conta de questões burocráticas, mas que foi importante para os casais ter esse auxílio além do espiritual. A preparação começou no ano de 2018 com 25 casais e contou com ajuda de advogados.

– Começamos a divulgar na Igreja para quem não tinha casado, ou morava junto ou para quem já casou, mas não fez cerimônia religiosa. Então abrimos essas vagas e fizemos reuniões. Convocamos alguns advogados para nos dar suporte na questão de documentação, tinha muita gente que não tinha nem certidão de nascimento ou que estava em processo de divórcio do primeiro casamento. Organizamos toda essa questão de papelada. Um irmão que trabalha no cartório também ajudou a gente com o encaminhamento para o fórum. Alguns casais optaram por fecharem buffet em salão de festas ou celebrar em casa mesmo com a família. A cerimônia na Igreja foi feita com 12 casais.

Cristiane Bellini e Ricardo Bellini são mais um casal que participou da cerimônia. Eles se conheceram em 2002, mas só depois se reencontraram em 2013. Três anos depois a história de amor se iniciou. Cristiane já era cristã quando se casou com Ricardo, que quis realizar o casamento na Igreja Católica. Quando Cristiane se batizou nas águas, em 2018, o Espírito Santo começou a tocar o coração do marido. Ele aceitou fazer o Curso de Casais com a mulher e, antes da conclusão, Ricardo se converteu e se batizou. Mesmo com essas bênçãos ela ainda tinha sonhos a serem realizados por Deus.

– Eu não me sentia completa, queria ter casado na minha Igreja porque foi onde Deus me tirou dos prazeres do mundo e me apresentou o Reino da Glória. Quando veio esse projeto na IAUC, meu coração bateu e senti que era minha hora. Pedi ao meu esposo se podíamos participar como renovação de votos, mas na verdade Deus sabia que meu coração queimava por essa oportunidade de realizar mais um dos meus sonhos.

Sobre a realização do casamento, Raquel afirmou que a ideia partiu dos coordenadores gerais da Unidade de Família, pastor Edson e Márcia Torres. Ela conta que os líderes pretendem fazer mais Casamentos Coletivos e auxiliar outros casais no processo burocrático para realizar o sonho do casamento. Eles agradecem a Deus pelo apoio e suporte durante todo o tempo de preparação com os casais.

– Agradecemos ao Pai pela oportunidade de ter realizado esse evento. Eu e meu esposo podemos sentir que Ele estava no controle de tudo, que cada casal ali pode ver o agir de Deus. Ainda temos seis casais com processo em andamento. Então, queremos fazer mais vezes. Foi muito importante para eles estarmos auxiliando nessas questões.