IMG-20171206-WA0002

Qual a verdadeira aparência do Templo em Jerusalém, construído por Herodes, que acabou destruído pelo exército romano no ano 70? É possível visualizar algo destruído há quase 2.000 anos? Como ele era decorado?

Todas essas perguntas começaram a ganhar novas respostas esta semana. A literatura e a arqueologia nem sempre coincidem, mas uma nova pesquisa pode acabar com muitas dúvidas dos religiosos.

Grande parte do que sabemos, ou pensamos que sabemos, vem da narrativa do século 1, pelos escritos do historiador judeu-romano Flavio Josefo, que dedicou parte de um de seus livros para descrever o Templo e o Monte onde ele ficava. Não há muito conhecimento de pesquisas arqueológicas do alto do antigo Monte Moriá, pois desde que o local passou para o controle da Jordânia, como parte da negociação de paz após a Guerra dos Seis Dias (1967), escavações no local são proibidas.

Esses estudos são considerados importantes não apenas por preencher algumas “lacunas” arqueológicas em Israel, mas, sobretudo, por oferecerem detalhes que são considerados fundamentais na construção do Terceiro Templo, uma vez que organizações como o Instituto do Templo seguidamente reiteram que já tem tudo preparado, inclusive as plantas dessa construção.

Pórtico Real

IMG-20171206-WA0003

Há uma série de inconsistências entre as descrições de Josefo e os achados arqueológicos até agora. Por isso, os pesquisadores têm dificuldade em chegar a uma conclusão. Um, por exemplo, envolve o Pórtico [ou Stoa] Real. Qual o tamanho real dessa colossal estrutura pública que Herodes, o Grande, ergueu enquanto renovava o Monte do Templo? A história mostra que o Segundo Templo foi construído após uma grande mudança no local do Templo de Salomão, onde o entorno do monte foi aterrado. A única estrutura que permanece desta época é o Muro das Lamentações, que serve justamente como muro de contenção de toda a estrutura.

O Pórtico Real era um prédio monumental no extremo sul do Monte do Templo, que funcionava como uma espécie de centro da atividade cívica e comercial.

Josefo descreve esse enorme edifício, que teria um “estádio” de cumprimento. Essa unidade de medida romana media entre 180 e 200 metros. Em outro momento, o historiador dizia que o comprimento do muro do sul do Monte do Templo, ia “do vale oriental [Cedron] até o vale ocidental [Tiropoeon]”, o que equivale a cerca de 280 metros.

O historiador também escreveu que fileiras de colunas maciças dividiam o edifício em um amplo salão central com dois corredores laterais: 162 colunas em quatro fileiras. Contudo, 162 não pode ser dividido igualmente por quatro – um enigma que os estudiosos acreditam ter resolvido agora.

Um estudo recente liderado pela doutora Orit Peleg-Barkat, do departamento de arqueologia da Universidade Hebraica, comparou o texto de Josefo com achados arqueológicos das escavações do Monte do Templo na década de 1970. Concentrando-se em fragmentos de decoração encontrados na época, ela fez uma reprodução no computador de como eram os edifícios do complexo do Templo e propõe respostas para algumas questões.

Ela fez parte de escavações conduzidas nas encostas do muro sul do Monte do Templo entre 1968 e 1978 com uma equipe da Universidade Hebraica liderada pelo prof. Benjamin Mazar. Dezenas de milhares de achados daquela época foram mantidos em armazéns subterrâneos no campus da Universidade Hebraica. Nos últimos anos, a doutora começou a analisá-los, individualmente, buscando fragmentos que faziam parte das paredes e do teto para estudar a decoração antiga daquelas construções.

IMG-20171206-WA0004

Os fragmentos confirmam que a estrutura possuía lugares de encontro cobertos, espaços para diferentes usos: administração, religiosos e de comércio. Uma das conclusões dela é que a distância entre cada coluna era de 3,25 metros. Também concluiu que as 162 colunas mencionadas por Josefo não incluíam a fileira do sul, junto ao Muro. Portanto, elas eram divididas por três linhas de colunas, e não quatro, porque a quarta linha era vista como parte do Muro. Logo, dividindo-se por três e a resposta seria que cada linha tinha 54 colunas.

Um cálculo com base na disposição das colunas estabelecida pela doutora Orit e considerando-se a espessura delas, chegaríamos a um edifício com 180 metros de comprimento, que se encaixa ao comprimento da unidade de medida romana conhecida como “estádio”.

Passagem do Novo Testamento

Muito provavelmente foi nesse Pórtico onde havia locais de comércio, que Jesus expulsou os vendilhões (cf Mateus 21:12).

Outro aspecto distintivo desse local apontado agora é que a ornamentação de pedra encontrados no Monte do Templo difere das vistas nos palácios de Herodes em Massada, em Jericó e no Herodium – que serviu como seu túmulo – diz a arqueóloga.

“Em primeiro lugar, eles usaram pedra calcária de Jerusalém, que tem uma qualidade muito maior. Além disso, a qualidade do trabalho de escultura nas colunas é extraordinária, indicando que foram feitas por artesãos de primeira classe, envolvendo um vasto investimento de recursos”, explica Orit. “Embora o trabalho tenha sido feito por artesãos locais, vemos a influência de Roma e da arte síria”.

A influência local é clara, ressalta, na ausência total de representação de pessoas, uma proibição judaica tradicional da confecção de imagens esculpidas, para não levar à idolatria (cf Deuteronômio 5: 7-8).

Um dado interessante é que mais da metade dos fragmentos de ornamentos se originaram em retábulos de pedra esculpida. Os desenhos esculpidos eram plantas, flores ou formas geométricas. No ano passado, arqueólogos israelenses conseguiram reconstruir sete partes originais do piso do templo edificado por Herodes, que apresentam desenhos similares.

Vigas do Teto

O teto, acredita a arqueóloga, era feito de madeira, mais provavelmente de cedro. Isso basicamente pode ser confirmado com o trabalho do arqueólogo Peretz Reuven, que estudou as vigas removidas da Mesquita de Al-Aqsa na década de 1940, quando a estrutura passou por uma remodelação.

Grandes vigas, algumas medindo mais de 12 metros, de cedro do Líbano de alta qualidade que podem ter sido do Templo de Herodes teriam sido usadas e reusadas num fenômeno conhecido pelos arqueólogos como “uso secundário”. Estudos de R. W. Hamilton, publicados em 1949 destacavam que muitas vigas incluíam desnivelamentos funcionais ou saliências. Os testes de carbono 14 nas vigas confirmam sua antiguidade, embora a história exata dessas vigas é difícil de estabelecer.

Apesar de deterioradas, Peretz Reuven foi capaz de identificar endentações na superfície de uma delas com decorações do período Herodiano/Romano e o espaçamento das endentações é de um intervalo similar às colunas do Pórtico Real de Herodes.

Fonte: Biblical Archaeology e Haaretz